Marca SINDIFISCO Sindicato do Grupo Ocupacional Administração Tributária do Estado de Pernambuco

Notícias da Fenafisco

Mais empregos e menos renda

29 de janeiro de 2015

Mais empregos com menores salários. A Região Metropolitana do Recife fechou 2014 com a criação de 15 mil novos postos de trabalho concentrados na indústria de transformação. A instalação de novas fábricas estimulou a contratação de mão de obra. Por outro lado, a construção civil foi o setor que mais cortou empregos, eliminando 5 mil vagas no ano. São os efeitos da desmobilização dos canteiros de obras privadas e a paralisação de obras públicas. Os salários encolheram 1,1% entre 2013 e 2014 na região. São os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) anual divulgada ontem pelo Dieese em parceria com a Agência Condepe-Fidem. 

A expectativa do técnico do Dieese Jairo Santiago, coordenador geral da PED no Recife, é da manutenção do nível de emprego este ano. “A área metropolitana de Recife se diferencia do restante do país porque vai contabilizar o aumento da ocupação com a operação da Fiat e do Polo Farmacoquímico de Goiana”.  “Pernambuco vai ter um comportamento diferenciado por conta da industrialização.”

Santiago diz que a surpresa positiva foi o comportamento da indústria de transformação, porque é o setor que mais emprega com carteira assinada e paga os melhores salários. Mesmo com as projeções pessimistas do varejo, o comércio criou 10 mil vagas, divididas entre o mercado formal e informal. Enquanto o setor de serviços, cujo peso é maior na ocupação, eliminou 1 mil postos de trabalho. Os segmentos de transportes, informação e comunicação e os serviços domésticos puxaram o emprego para baixo.

Depois de alavancar o nível de ocupação durante os últimos cinco anos, a construção civil desacelerou em 2014. A desmobilização dos canteiros de obras de Suape teve peso importante. O diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil Romildo Félix da Silva diz que a paralisação das obras públicas com recursos da União, governo do estado e Prefeitura do Recife, provocou desemprego nos últimos seis meses do ano. “Houve atraso de pagamento dos trabalhadores e as empresas começaram a demitir”. 

Do lado dos rendimentos, os ocupados da RMR tiveram a maior perda das regiões, passando o salário médio de R$ 1.271 para R$ 1.257 entre novembro/2013 e novembro/2014. Os empregados da indústria tiveram o maior ganho, de 5%.

Fonte: Diario de Pernambuco

Mais Notícias da Fenafisco