Marca SINDIFISCO Sindicato do Grupo Ocupacional Administração Tributária do Estado de Pernambuco

Notícias da Fenafisco

Mínimo de R$ 380 entra em vigor hoje

A partir de hoje entra em vigor o novo salário mínimo, que passou de R$ 350 para R$ 380, um aumento de 8,57%, e com correção da tabela do Imposto de Renda em 4,5%. A medida foi definida em dezembro do ano passado e, em todo o País, atinge cerca de 43 milhões de trabalhadores, que têm os rendimentos atrelados ao salário mínimo. O aumento não deve beneficiar apenas essas pessoas, mas também aposentados e beneficiados.

O reajuste deixou a vendedora Danielle Silva do Nascimento animada. Segundo ela, que confessa ter sido pega de surpresa, o incremento de R$ 30 vai servir para ajudar nas despesas da família. “Moro com meus pais e um irmão e quase todos recebem um salário mínimo. Ainda não sei o que vou fazer com esse dinheirinho a mais, mas vai ser muito útil lá em casa”, contou Danielle.

Esse “dinheirinho a mais” atingirá também os trabalhadores que recebem os abonos do Programa de Integração Social (PIS) e Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep), que terão um ganho de R$ 30, já que o benefício equivale a um salário mínimo. Os aposentados do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) terão alta de 8,6%, aumentando também os benefícios e abonos vinculados ao mínimo. Dos brasileiros que têm os salários com base no mínimo, 16 milhões são aposentados e pensionistas, 13 milhões ocupam postos com registro, nove milhões são autônomos e outros cinco milhões são trabalhadores domésticos.

Por outro lado, enquanto alguns vibram com a notícia, outros sabem que vão sentir o peso no bolso. É o caso de quem tem empregados domésticos, por exemplo, pois nos estados onde não há salário mínimo regional, o piso será de R$ 380. “Eu só tenho empregada porque realmente preciso”, disse a consultora de vendas Micheline Ponte, afirmando que não é por luxo que paga uma cozinheira e uma babá. Para ela, o reajuste não significará apenas R$ 60 a mais no orçamento da família, que gasta uma média de R$ 6 mil mensalmente. “As contribuições previdenciárias também são altas e além disso preciso alimentar as duas pessoas”, contou Micheline, que passa o dia fora de casa e os gastos com refeições é praticamente para as empregadas.

Segundo a consultora de vendas, se o aumento pesar muito nas despesas, vai ser necessário dispensar alguém, caso que pode ser ainda mais grave em médias e grandes empresas, quando se tem um número maior de funcionários. Na VPO Perfumaria, a folha de pagamento dos 25 empregados, cujos salários são todos atrelados ao mínimo, é de R$ 10 mil e o reajuste pode ficar caro para a empresa. “Não são só os vencimentos dos empregados que pesam, mas principalmente os encargos, que ficam muito onerosos. O problema é que acabaremos passando esse aumento para nossos clientes, com o reajuste dos preços”, preocupou-se a diretora administrativa do grupo VPO, Amanda Sultanum.

A lei afeta ainda os trabalhadores autônomos, cuja contribuição paga à Previdência Social subirá para um mínimo de R$ 76, e o Juizado Especial Federal (JEF), que tem um teto de 60 salários para os processos que tramitam no Tribunal. Nesse caso, o valor subirá para R$ 22,8 mil.

Mais Notícias da Fenafisco