Marca SINDIFISCO Sindicato do Grupo Ocupacional Administração Tributária do Estado de Pernambuco

Notícias da Fenafisco

Estado garante refinaria

22 de maio de 2015

Em meio ao silêncio insistente da Petrobras sobre sua atuação em Pernambuco – especialmente sobre o futuro da Refinaria Abreu e Lima (Rnest) -, o secretário de Desenvolvimento do Estado, Thiago Norões, revelou que a estatal tem o compromisso de retomar as obras da usina. Com o impacto das investigações da operação Lava Jato, os serviços de construção foram interrompidos no início do ano, com quase 90% das obras concluídas.

"Seria criminoso se isso (a retomada) não acontecesse", disse o secretário. Questionado se o governo estadual estava seguro da retomada, ele foi incisivo: "Não tenho dúvidas disso". "Você não para uma obra como essa. Até porque a refinaria, do ponto de vista de negócio, é algo totalmente viável", frisou Norões, ao destacar que o Brasil tem necessidade de refino e a Petrobras precisa de produtos acabados.

O posicionamento do secretário ganha realce à medida que a Petrobras se cala diante das incertezas sobre seus investimentos em Pernambuco. A Rnest é o maior deles. Mas o impacto da "paralisia" da estatal também afeta o Complexo Industrial Químico-Têxtil (PQS), subsidiária da estatal, e o Estaleiro Atlântico Sul, que opera exclusivamente para fornecer embarcações para a Petrobras e para outra subsidiária, a Transpetro. Há, ainda, efeitos nocivos em toda a cadeia de fornecedores do setor. Ontem, a companhia foi procurada novamente pela reportagem, sem sucesso. A empresa não se pronuncia desde a intensificação da crise interna da empresa, por conta da Lava Jato, operação da Polícia Federal que investiga corrupção na estatal. Talvez algum posicionamento oficial venha com a divulgação do novo balanço, previsto para o próximo mês.

Para Norões, no entanto, o Estado está em boa condição se comparado ao Maranhão e ao Ceará, Estados que não receberão mais as refinarias Premium I e II, segundo anunciou a Petrobras. "Temos uma refinaria funcionando", defende o secretário. De acordo com Norões, atualmente a Rnest opera com 30% a 35% de sua capacidade, que é de 230 mil barris/dia (bpd). A última informação divulgada pela Petrobras era de 19%.

Segundo o sindicato que representa os trabalhadores da refinaria, atualmente cerca de 500 pessoas está no quadro funcional da usina. A previsão era que agora 1.500 pessoas estivessem trabalhando na indústria quando ela fosse terminada – o que deveria acontecer no próximo mês, segundo previsões da própria Petrobras, divulgadas em janeiro deste ano.

Fonte: Jornal do Commercio

Mais Notícias da Fenafisco