Marca SINDIFISCO Sindicato do Grupo Ocupacional Administração Tributária do Estado de Pernambuco

Notícias da Fenafisco

Corrupção marca as grandes obras

12 de dezembro de 2015

Pelo menos três obras consideradas estruturadoras no Estado têm as marcas da corrupção e vão sair por um orçamento muito maior do que o inicialmente previsto. São a Transposição das Águas do Rio São Francisco, a Hemobrás e a Refinaria Abreu e Lima. As duas primeiras foram alvo de operações da Polícia Federal ontem e na última quarta-feira. São obras que ficarão muito mais caras e vão demorar mais ainda para serem concluídas. “São obras que não terminam. Só a demora já torna essas obras muito mais caras e esse prejuízo é maior do que a corrupção”, diz o diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), Adriano Pires.

É como a reforma de uma casa. Quanto mais paralisações, mais o serviço vai ficando caro, às vezes o pedreiro desiste, outro tem que ser contratado e cobra mais do que o primeiro, o material comprado se estraga e por aí vai. A refinaria vai sair quase 10 vezes mais cara que o seu orçamento inicial.

A Hemobrás vai sair por quase três vezes o orçamento inicial. E a transposição teve um incremento de preço superior a 80% e, segundo alguns técnicos, sairá por mais do que os R$ 8,2 bilhões já anunciados pelo Ministério da Integração Nacional. Pelos dados revelados ontem pela Polícia Federal, a maior parte do desvio nas obras da transposição foi na terraplenagem. “Como o custo pode ser compatível com o serviço a ser realizado se a transposição começou sem ter os projetos executivos prontos?”, questiona um empresário da construção civil em reserva.

Projetos executivos são aqueles que fazem um estudo mais aprofundado, dizendo, por exemplo, o tipo de solo e que obstáculos devem ser retirados para fazer uma terraplenagem. Com a desculpa de tirar a transposição do papel, o presidente Lula (PT) autorizou o início da obras da Transposi- ção sem um projeto executivo e as licitações se basearam num projeto básico realizado em 2001. Segundo especialistas, essa diferença deixa a porta aberta para a corrupção e o sobrepreço do serviço.

Mas isso não ocorreu apenas com a transposição. A terraplenagem da Refinaria Abreu e Lima também teve indícios de superfaturamento apontados pelo Tribunal de Contas da União (TCU). “Tinha que ter punição para quem permitiu a execução desses projetos com falhas. O problema é que, às vezes, é difícil separar o que é corrupção da incompetência”, revela Adriano. E continua: “somente a Petrobras colocou R$ 6 bilhões que foram considerados perdidos no seu balanço de 2014 devido à corrupção.” Na Transposição, a Operação Vidas Secas – um desdobramento da operação Lava Jato – revelou um desvio estimado em R$ 200 milhões num trecho da transposição que valia R$ 680 milhões. Informações da própria Polícia Federal indicam que esse valor pode ser muito maior.

Na Hemobrás, os dados preliminares indicam um desvio de R$ 30 milhões. As outras consequências da corrupção, segundo Pires, são “os empregos que deixaram de ser gerados, o impacto que a falta desse empreendimentos trazem à economia e, por último, o afastamento dos investidores sérios”, comenta.

HEMOBRÁS

Ontem, a reportagem do JC procurou o senador HumbertoCosta que era ministro quando ocorreu o anúncio da implantação da Hemobrás. “As suspeitas de irregularidades têm que ser investigadas, mas a Hemobrás continua um empreendimento fundamental para Pernambuco e o Brasil”, diz o senador. Ele diz que indicou apenas o primeiro presidente da estatal, João Paulo Baccara e que Rômulo Maciel Filho (atual presidente) foi indicado pelo ex- ministro da Saúde, José Gomes Temporão. E que, Mozart Sales (diretor) também não foi indicação sua. 

Fonte: Jornal do Commercio

Mais Notícias da Fenafisco