Marca SINDIFISCO Sindicato do Grupo Ocupacional Administração Tributária do Estado de Pernambuco

Notícias da Fenafisco

Casa Civil pretende acelerar terceirização

17 de junho de 2016

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse que o País precisa caminhar no rumo da terceirização. A declaração, feita ontem durante evento para empresários e executivos em São Paulo, gerou uma salva de aplausos. Nas estimativas do ministro, a reforma trabalhista deve ocorrer junto da reforma da Previdência ou logo depois, mas ambas estão no horizonte deste ano. 

Segundo ele, seria necessário fomentar a produtividade e revisar o sistema educacional para aprimorar a formação da mão de obra. "Temos que modernizar tecnologicamente nosso processo produtivo, empresarial e empregatício. Temos que formalizar o emprego e caminhar no rumo da terceirização", destacou. 

Padilha agradou também a plateia ao afirmar que aquele projeto que está no Senado deve ser votado com alguma rapidez. O projeto foi aprovado pela Câmara no início do ano passado, permitindo que empresas privadas contratem funcionários terceirizados para qualquer tipo de atividade. O texto desagradava ao governo Dilma Rousseff. 

Antes de seguir para o Senado, onde tramita ainda, o texto recebeu alterações como a que esclarecia que podem ser contratadas como terceirizadas cooperativas, empresas individuais, sociedades e fundações. 

RETOMADA Atendendo a um pedido feito na terça¬feira pelo presidente interino, Michel Temer, o presidente do Senado, Renan Calheiros, decidiu retomar os trabalhos da comissão no Senado que avalia a chamada Agenda Brasil ¬ conjunto de propostas apresentadas em agosto de 2015 para a recuperação da economia na gestão de Dilma Rousseff. 

A aliados Renan afirmou que poderia reiniciar os trabalhos do grupo ainda esta semana. A rediscussão sobre regras de terceirização do trabalho está entre os projetos contemplados na relação a ser abordada, assim como a simplificação de regras para licenciamento ambiental e a Lei de Licitações. 

Sobre reforma da Previdência, o ministro disse que já teve seis rodadas de reuniões com as centrais sindicais e representações dos empresários com o objetivo de costurar um consenso.

Fonte: Fonte: Jornal do Commercio

Mais Notícias da Fenafisco