Marca SINDIFISCO Sindicato do Grupo Ocupacional Administração Tributária do Estado de Pernambuco

Notícias da Fenafisco

Armando na frente: 37% a 10%

3 de agosto de 2014

Com um mês de campanha nas ruas, o candidato ao governo do Estado pela coligação Pernambuco Vai Mais Longe, Armando Monteiro (PTB), apresenta 37% das intenções de voto, segundo a consulta produzida pelo Instituto de Pesquisa Maurício de Nassau (IPMN), encomendada pelo Portal Leia Já e publicada em parceria pelo Jornal do Commercio. Na pesquisa estimulada, com apresentação dos candidatos ao entrevistado, o petebista está 27 pontos percentuais à frente do adversário, o candidato pela Frente Popular, Paulo Câmara (PSB), que teria 10% das intenções se as eleições acontecessem hoje.

Apesar da liderança do petebista, neste momento o quadro sugere indefinição, uma vez que a soma dos brancos/nulos/indecisos com os que não sabem/não responderam chega a quase metade do universo de eleitores: 48%. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

O cenário indica uma eleição bastante acirrada, de acordo com um dos coordenadores da pesquisa, o cientista político e professor da Universidade Federal de Pernambuco, Adriano Oliveira. "Nós não podemos dizer que a eleição está definida. Por que o senador (licenciado, Armando Monteiro) ainda não ultrapassou a marca dos 40%? Simples. Porque 50% dos eleitores ainda estão à procura do voto. Se eles migrarem para Paulo, tende a ser acirrada", analisa.

Oliveira lembra que esta primeira pesquisa após o registro oficial das candidaturas na Justiça Eleitoral serve como ponto de partida para balizar o crescimento dos postulantes. "O instituto optou por um cenário eleitoral definido, após a Copa do Mundo, que se dizia que, a depender do resultado, iria influenciar", frisa.

Ainda sobre os dois candidatos que estão na dianteira da pesquisa, a consulta espontânea sobre a eleição para o governo do Estado revela Armando Monteiro com 22% das intenções de voto e Paulo Câmara, que ainda é um grande desconhecido dos eleitores, com 6%. Nesta mesma amostra, o nome do ex-governador Eduardo Campos, padrinho político de Paulo, que está na corrida presidencial, chega a pontuar, com 6%. "É baixo e representa mais um desejo do que uma confusão. Mostra que a maioria já sabe que ele não pode ser mais candidato a governador", ressalta Oliveira.

Um dado é indispensável para avaliar a atual conjuntura eleitoral, pré guia na rádio e televisão: o nível de conhecimento. Mesmo com Paulo Câmara apresentado como o escolhido de Eduardo Campos para sucedê-lo no Palácio do Campo das Princesas, 60% dos entrevistados disseram nunca ter ouvido falar dele, 28% disseram conhecer "muito pouco" e apenas 9% falaram em conhecer "muito bem". Nessa questão, o adversário Armando Monteiro aparece com 30% dos entrevistados afirmando o conhecer muito bem, 47% "muito pouco" e 22% "nunca ouvi falar". "Há uma margem muito grande para Paulo crescer quando ele se apresentar ao eleitorado e isso deve acontecer mais fortemente quando o guia eleitoral começar", diz o cientista político.

"Não dá para dizer que existe favoritismo na eleição neste momento. Não é verdade. É um quadro indefinido e há uma fragilidade na candidatura do senador Armando Monteiro pelo fato de ele não ter avançado, mesmo sendo bem mais conhecido, sobre o universo dos que ainda estão procurando um candidato", conclui Adriano Oliveira.

Outro ponto que não pode deixar de ser considerado nesta análise do momento eleitoral é a força política do ex-governador Eduardo Campos (PSB) como cabo eleitoral. Numa das perguntas, 26% do eleitorado consultado dizem que estão "entusiasmados" para votar em um candidato apoiado pelo ex-governador.

Por outro lado, 21% disseram preferir votar naquele de oposição ao líder socialista. Isto é, uma pequena diferença de cinco pontos percentuais. Mas é em cima dos "indiferentes" a Eduardo que está o fator que pode pesar a favor ou contra os dois adversários, uma vez que 36% não têm o socialista como referência para fazer o seu voto.

Os outros quatro candidatos obtiveram um percentual inexpressivo nesta primeira consulta. Apenas Zé Gomes (PSOL) e Jair Pedro (PSTU) pontuaram, cada um, 1%. Os demais, Miguel Anacleto (PCB), Pantaleão (PCO) não conseguiram pontuar.

Fonte: Jornal do Commercio

Mais Notícias da Fenafisco